terça-feira, julho 20, 2021

Frei Gigante 2018

Este branco é feito das três castas mais características da ilha onde nasceu: Arinto dos Açores, Verdelho e Terrantez do Pico. Igualmente muito característico é o seu travo, sobretudo na primeira impressão: forte, marcado, afirmativo. Despois, espraia-se e conversa agradavelmente connosco com simpatia e frescura. (14,86 €) 87

 

domingo, julho 18, 2021

Ameixâmbar Colheita Selecionada Arinto dos Açores

Este vinho é uma experiência exotérica: primeiro, junta uvas do Faial (das cinzas vulcânicas dos Capelinhos) e do Pico (dos currais do Lajido da Criação Velha, onde a vinha está plantada em bagacina e lava petrificada). Depois, junta colheitas de dois anos (2018 e 2019). Finalmente, é feito com Arinto dos Açores (juntamente com o Verdelho e o Terrantez do Pico, as castas autóctones mais marcantes das ilhas). Na boca, tem um sotaque marcadíssimo, mas igualmente, logo desde a primeira impressão, uma pronúncia mais que nobre. Fresco, atlético, dinâmico, jovial, marítimo. É um vinho superior, bom em qualquer parte do mundo (35€). 92

 

terça-feira, julho 13, 2021

Terras de Lava Branco 2019

Tem sempre que ler-se os brancos do Pico de forma muito específica: este, é vegetal, talvez mesmo herbáceo, e pontiagudo como a lava e a bagacina. Também encorpado, o que é uma característica que não se procura em brancos. Mas o Pico é terra de brancos, que trazem consigo o calor da terra vulcânica onde nascem. Este, é um vinho mais tradicional que moderno – não vai em modas. Mas vai muito bem. (8,30 €) 87

 

terça-feira, julho 06, 2021

Faria’s Vineyards 2018

Branco muito acre, com pouca frescura e quase nada de fruta. A roçar o desagradável. Embora do Pico, não está certificado pela CVR Açores. Dizem que será por ter uvas “do continente”. É pena, porque a casa (Curral Atlantis) tem vinho bons. 75

sábado, julho 03, 2021

Beyra Tinto 2019 e Beyra Reserva Tinto 2018

Ambos, vinhos de grande categoria, compostos e muito bem feitos. O Reserva, naturalmente, mais delicado e polido, com muito mais consistência e densidade. O colheita 2019, notavelmente, num Douro tinto, já está pronto para beber. Ambos, em todo o caso, vinhos densos, estruturados, ricos e saborosos. Colheita 87; Reserva 89

 

sexta-feira, julho 02, 2021


Beyra Branco Biológico 2019 e Beyra Branco 2019

Em prova cega será muito difícil distinguir estes dois vinhos, ambos compostos por Síria e Forno Cal. São ambos brancos vincados, com caráter marcado e personalidade forte. Na primeira abordagem, poucas palavras e alguma secura. Depois, revela-se uma grande estrutura. Vinhos sérios, mas, em todo o caso, muito específicos (5,49€ o Biológico e 5,99€ o Branco) ambos 87

quinta-feira, julho 01, 2021

 

Herdade do Catapereiro Reserva 2017

Este vinho de combate da Companhia das Lezírias é moderno, mainstream. Não se afirma especialmente, nem se destaca. Mas apesar da gama em que se insere (e do preço), é solene e firme, não deixando ficar mal. (5,93 €) 85

quinta-feira, março 25, 2021

Diálogo Douro 2019

É um vinho de iniciação. Quer dizer, abre a porta a um enorme universo de vinhos Niepoort, de muito mais categoria. Simples, de fácil abordagem. De corpo esguio, não se espere dele sofisticação ou complexidade. É fugaz e irá bem com uma chouriça nas brasas, talvez. Uma nota final: o que sobrou, para o dia seguinte, soube muito melhor. Portanto, a beber-se já, este vinho precisa de arejamento, É natural, por ser muito jovem (6,63 €). 85

 

terça-feira, março 23, 2021

Beyra Reserva Quartzo 2019

Os brancos de Rui Madeira, com este rótulo, são geralmente metade síria e a outra fonte cal. Castas da Beira Alta, cultivadas em terreno granítico. São por isso de grande mineralidade e frescura enorme. Este é mesmo de grande acutilância e agressivo (6,73 €). 86 

 

sábado, março 20, 2021

Fiúza Touriga Nacional 2018

Achocolatado e delicado. A casta, bem presente. Apesar disso, nada aborrecido: pelo contrário, vivo, incisivo e com caráter (6,49 €). 86

 

terça-feira, fevereiro 16, 2021

Herdade do Catapereiro Escolha tinto 2017

Regional Tejo, com mineralidade salgada, do estuário do rio, a temperar a modernidade e o enorme vigor das castas. Vinho consensual (3,69 €). 85

 

terça-feira, dezembro 29, 2020

Flor das Tecedeiras Tinto 2017

Especiado, vivinho, muito frutado. É um vinho jovem, ao qual ainda falta corpo e consistência. Desta estirpe, francamente, esperava-se melhor. (9,99 €) 85

 

segunda-feira, dezembro 28, 2020

Tapada do Chaves Branco 2018

Grande branco alentejano, vigoroso e musculado, sem perder a elegância. Tem a fruta no ponto e muito equilibrada. É daqueles vinhos para os quais não se encontra um comentário menos interessante. 90 

 

quarta-feira, dezembro 23, 2020

Côrte Douro branco 2019

Branco muito mineral, quase metálico. Viosinho integral: pouca fruta e escassa frescura. Abordagem agressiva, talvez apropriada para acompanhar coisas fortes. Foi excelente com um escabeche de perdiz. 87

 

terça-feira, dezembro 22, 2020

Duarte Durão Reserva 2017

Vinho de Alcanhões, no Tejo, com marca muito moderna. Grande equilíbrio entre as castas (syrah, castelão e alicante bouschet), muito bem casadas – fundindo a tradição regional com modernidade. Apesar disso, revela sobretudo um corpo campestre, vivo e quente. 88


segunda-feira, agosto 17, 2020

Manoella 2017

Tinto do Douro, denso, estruturado e impactante. É um vinho de nível superior. Por isso, talvez precise de repousar um pouco mais, na garrafa. (14,99 €)

Z – 90

LP – 90

Mig – 88

Fran – 87

PV – 89

segunda-feira, agosto 10, 2020

Quinta do Côtto Tinto 2016

Este Douro clássico entra no campeonato dos vinhos modernos, muito bem feitos, profissionais e sóbrios. Corpo estruturado, quase que modelado. É um vinho do dia a dia, quem grande elasticidade no que respeita a companhias (8,99 €). 87

sábado, agosto 08, 2020

Dialog Elephantus Premium 2018

Branco algarvio, da Quinta dos Vales. Notas fortes de maçãs pouco maduras. Para branco é muito quente e envolvente, nada fresco na boca. Austero e seco, sem grande preocupação em agradar. Consonante com o clima em que nasceu (7,99 €). 84

sexta-feira, agosto 07, 2020

Colossal Reserva Rosé

Linear e fresquinho. Se estiver geladinho é agradável.

LP – 85

PV – 87 (na categoria dos rosés)

quinta-feira, agosto 06, 2020

 Dona Niza Crato Branco 2018

Embora se anuncie como monovarietal (de crato branco que, dizem, é a equivalente algarvia da síria), este branco da Praia do Carvoeiro é mitigado com arinto. Mostra-se um pouco acre. Apesar de ser colhido próximo do mar, não evidencia frescura. Vale pela especificidade (9 €). 85

quarta-feira, agosto 05, 2020

Vallado Branco 2018

Este Douro é o branco de combate do Vallado. Não destoa dos vinhos da casa: é estruturado e saboroso, mas muito consensual e elástico. Dir-se-ia que é um vinho para todas as ocasiões, que serve para qualquer companhia ou para a falta dela. 87

terça-feira, agosto 04, 2020

Herdade Grande Colheita Selecionada 2016

Que tinto estupendo! Digno, sedoso, delicado e, sem prejuízo disso, vigoroso e intenso. 89

segunda-feira, agosto 03, 2020

Chaminé Branco 2018

Este vinho moderno é o resultado de uma combinação improvável de castas: verdelho, que lhe dá corpo, alvarinho, que lhe acrescenta agressividade, e sauvignon blanc, que traz frescura incisiva. O resultado final é agradável e polivalente. É mais para comida, mas na esplanada, fresquinho, não desiludirá também. 85

domingo, agosto 02, 2020

 Xutos e Pontapés da Herdade de São Miguel 2017

Tinto de carater alentejano muito marcado, picante e especiado, rico e substancial. Mas muito ruidoso e pouco sereno. Vinho para carne. 82

sábado, agosto 01, 2020

 Aldeias de Juromenha Verdelho 2018

Muito herbáceo e agreste, vivo e frutado – fruta verde e acidinha, algo agressiva. Pede comida mais intensa (fumados, por exemplo). (5,30 €) 86

sexta-feira, junho 26, 2020


João Pires 2019
Este clássico da pré-história do moderno vinho português mantém-se fiel a si mesmo: docinho, agradavelzinho, se for fresquinho vai benzinho, sobretudo nestes tempos de calorzinho, à tardinha. É um moscatel, adequado para públicos em iniciação no vinho. Nada mais. (3,99 €) no género, 82

quinta-feira, abril 23, 2020


Prova Régia Arinto 2018
Este regional Lisboa é um grande vinho com pequeno preço. Revela a casta em todo seu esplendor: digno e solene, mas simultaneamente fresco e de abordagem muito simpática. Ao mesmo tempo, é flexível e moldável a diferentes companhias (3,79 €). 87

sábado, abril 18, 2020


Catarina 2019
Este branco da Bacalhoa assume uma componente regional e de terroir, porque incorpora Fernão Pires e Arinto. Mas tem também uma boa dose de modernidade, imposta pelo Chardonnay. O resultado final é muito vigoroso e de grande equilíbrio. Não é um vinhito de interpretação fácil, para a esplanada. Mas quem pretender um vinho sério não vai desiludir-se. E, neste registo, é multifacetado e flexível: acompanha tão bem um polvo no forno como umas tapas de presunto (5,99 €). 87

sábado, janeiro 18, 2020

Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo Tinto 2015
Douro muito delicado e sofisticado. Suave na boca, onde deixa um manto de frescura vivificante. Nobre e superior, de grande categoria, mesmo sabendo-se que, na casa em causa, é um vinho de base (9,90€).
I – 89
PV – 90

sexta-feira, janeiro 03, 2020

Montalegre

Reserva 2016
Bom corpo, num vinho com muita estrutura. Sente-se rico e anotam-se especiarias. Perfil moderno e corpo vigoroso (13 €).
Z – 90/91 (merece 10% de bónus por ser produzido onde o é)
Fran – 89
LP – 90
PV – 91

Vinhas Velhas 2016
Musculado, adstringente, forte. Apesar de tudo, não desmerece pela zona periférica onde é produzido. Sério, bom, de qualidade. (8,49 €)
Z – 89 (com reconhecimento por vinhos deste tipo serem feito nesta região)
Fran – 91, porque este vinho é bom
LP – 86
A – 89
I – 89
PV – 88

Tinta Amarela 2016
Muito específico e picantinho. Esta especificidade ainda está em construção e tem espaço para progresso (11,99 €).
Z – 88
LP – 85
PV – 87

quinta-feira, janeiro 02, 2020

Quinta do Sobreiró de Cima
Verdelho 2017
No contexto da casta, não é exuberante. É menos expressivo que o habitual, mas igualmente mais consensual. Globalmente, não está mal (9.99€).
Z – 87
LP – 85
Fran – 88
Man – 86
João – 84
Inês – 86
PV – 87

Sauvignon Blanc 2017
Acre, rude, talvez adequado para cheviche picante (9.99€).
Z – 83
PV – 82

terça-feira, dezembro 31, 2019

Vale Pradinhos Reserva Tinto 2016
É um dos pioneiros Trás-os-Montes. Por isso, um vinho “com pergaminhos” (LP). Na boca, revela alguma nobreza, mas também alguma opacidade. É um vinho um pouco baço e não fácil de ler. Mas permanece imenso na boca, com agrado (12,86 €).
A – 88
LP – 89
PV – 88

domingo, dezembro 29, 2019


Vimioso Branco Premium 2018
Regional Tejo de bom nível, mas que se apresenta muito sem pretensões nem ambição de estrelato. Para vinho mainstream, do tipo de consumo diário, não está mal. Já o preço, é manifestamente alto. Na região, este perfil costuma ser mais acessível (9,99 €). 83

sexta-feira, dezembro 27, 2019

Bridão Tinto Clássico 2015
Por razões de transparência, há muito que não passam por aqui os vinhos do Cartaxo. Mas este, mereceu exceção: é que sendo um vinho de preço corrente, barato, tem um perfil muito superior. Na boca, é achocolatado, abaunilhado, muito rico e poderoso. É um grande vinho por um pequeno preço (3,29 €). 88

quarta-feira, dezembro 25, 2019


Porrais Signature Douro 2016

Vinho complexo, digno, sofisticado. Perfil é muito rico e saboroso. 
Z – 89
LP – 87
Man – 88
PV – 89

terça-feira, dezembro 24, 2019


Vila Flor Vinha da Peça 2013

Tinto de combate da Casa d’Arrochella. Mais a puxar para o telúrico, embora se mostra bastante frutado, ao perfil da moda, com fortes notas de compota de amora e outros frutos vermelhos. 
Z – 88
PV – 87

quarta-feira, dezembro 18, 2019


Aciprestes Branco 2017

Forte e rico, robusto e consistente. Não se lhe peça frescura nem descontração. É um branco vinho sério, até mesmo um pouco grave. 87

sábado, setembro 28, 2019


Montalegre Clássico Branco 2018
Este conceito, de vinho de montanha, é castiço. Este, regional Trás-os-Montes, não vai mal: fresco e agressivo. Mineral e pontiagudo. Muito bom, dentro do género (4,88 €). 86

sábado, agosto 31, 2019


Soalheiros 2018
Allo
Delicado e macio, este blend de alvarinho e loureiro forma conjunto todo o terreno. Vinho muito elástico e equilibrado, pronto a beber (5,59 €).
LP – 86 (com bifes de frango)
PV – 87

Alvarinho 2018
Agressivo, intenso e herbáceo. Deveria ter-se esperado mais um ano para o provar. Ainda assim, um grande alvarinho! (10,29 €)
Z – 89
PV –  88

sexta-feira, agosto 30, 2019

Puro Touriga Chã 2016

Este Douro é um vinho superior, que dá gosto beber. Na boca, nota-se-lhe a nobreza. Notas de muita fruta, madura, mas muito pura. Complexidade e sofisticação. Está ao nível, senão melhor, que a versão anterior provada.
Z – 91/92
PV – 92

quarta-feira, agosto 28, 2019

Montalegre Vinhas Velhas 2016

É uma curiosidade: para a região onde foi colhido, é excecional. Na prova, ligeiro e descomprometido, mas direitinho. Notas modernaças de baunilha e madeira. Para beber já.
Ana – 91
LP – 86
Z – 91 (com declaração de voto: a votação de LP é injusta)
PV – 90

segunda-feira, agosto 26, 2019

Visconde de Arneiros Grande Reserva Tinto 2017

O sousão está muito presente mas ,apesar da juventude, já se bebe muito bem. É mesmo uma agradável surpresa, “um vinho que fala contigo” (LP). Bom corpo, distinto e sofisticado. Bom equilíbrio na fruta, num vinho denso.
Z – 92
LP – 91
PV – 91

domingo, agosto 25, 2019


Casa Santos Lima Arinto 2017

Vinho elástico, para todo o uso, com comida não muito exigente. Bom equilíbrio entre o corpo elegante e a acidez. 86

quarta-feira, agosto 21, 2019


Recente Alvarinho Reserva 2016

Agressivo e agreste, pouco polido: parece ter um certo caráter oriental. Notas de líchias, talvez em excesso. 84

domingo, agosto 18, 2019


Paxá Sauvignon Blanc 2018

Aquoso e discreto, este vinho de Silves não deixa grandes notas na boca. É vago e fugidio. Falta-lhe a característica frescura da casta e sobram-lhe travos frutados quentes (6,49 €). 83

quinta-feira, agosto 15, 2019


Loureiro Muros Antigos

É a frescura em vinho, com a acidez muito equilibrada. Sendo um verde, é o que é. Mas dito isso, nele se identifica um grande vinho de combate de verão. 87

terça-feira, agosto 13, 2019


Quinta da Penina Branco 2018

O DOP Lagoa explodiu no último ano. Surgiram até algumas curiosidades interessantes. Mas não é o caso deste vinho, muito seco e acre, um pouco agreste, até, e sem finura. Roça mesmo o vulgar (4,99 €). 80

quinta-feira, agosto 08, 2019

Portada Winemaker’s Selection Branco 2018

Seco e agreste, em corpo gordo. De resto, este regional Lisboa é muito normalzinho e incaracterístico (4,99 €). 82

sábado, agosto 03, 2019


Quinta da Tôr Tinto 2014

Algarvio quente, muito apimentado, frutado e adocicado. Vinho à antiga, quente, tradicional e envolvente, para beber e transpirar, no calor de um almoço de verão. Por isso, melhor será bebê-lo fresquinho, ao jantar, para não se tornar aborrecido (5,90 €). 84

quinta-feira, agosto 01, 2019


Cabrita Negra Mole 2017

Tal como aconteceu no ano passado, provou-se este vinho pela especificidade: é produzido exclusivamente a partir uma casta nativa do Algarve. Como apreciação global, pode dizer-se que faz jus ao nome: é mole, arejado e despretensioso. Mantém-se honesto e modesto (8,79 €). 83